Image Map

16/03/2016

Enquanto esse amor não volta...



Enquanto esse amor não retorna eu permaneço sem saber quem sou agora, como vivo e qual o método usar para seguir em frente. Fico comigo mesma e não me sinto acolhida, sinto frio mesmo quando o sol sorri lá fora, os pensamentos falando alto demais mesmo que tudo esteja em silêncio. Chego em festas e por mais que há centenas de pessoas no ambiente, de verdade, eu não consigo ver ninguém. Me embaralho pedindo um café em um lugar qualquer e sempre dou mais dinheiro que o necessário para pagar, mas não me importo em deixar o troco por ali mesmo, não me dou conta do que faço e nem atenção com quem converso. Esses dias mesmo chamei Carlos de Roberto e fui perceber o erro depois de chegar em casa... depois de ter conversado com ele por 3 horas seguidas, e caso me pergunte sobre o que conversamos eu não conseguirei recordar. Estava longe demais para estar ali, presente naquele momento.

Não faço mais sentido e nem quero fazer, mas queria significar algo para mim quando olho no espelho. 

Enquanto esse amor não retorna, eu continuo ouvindo músicas aleatórias e não consigo ir com certeza em uma que eu vá gostar, assim, de cara. Fico lendo as mesmas mensagens e não sinto mais nada, absolutamente vazia por dentro, e com vontade de ser tudo, sentir muito, e querer algo que eu não sei bem o que é. Seu sorriso retorna a minha mente  a cada 5 minutos e eu anseio pelo momento em que ele vai deixar de ser uma lembrança e voltará a ser minha realidade. No meu ápice de saudade, eu criaria coragem para ir atrás de você e pedir que me amasse novamente, mendigaria o pouco – que você achou ser muito – para ver se preencheria essa lacuna que há em mim.

Enquanto esse amor não retorna eu vou querendo entender o porquê você virou a página, não me esperou terminar de ler a anterior e me deixou para trás da sua história. Vou tentando reviver a rosa que me deu há quase 3 meses atrás, mas ela já se encontra velha, sem perfume, vida, cor... ela se encontra faltosa do amor que você prometeu me dar, esse, que eu esqueci de te lembrar que deveria ser honesto e dado de coração. Por esse motivo eu espero que o próximo que bater a porta, ao sair correndo, eu me depare com você. Eu veja seu rosto diante de mim novamente e possa envolver seu corpo em um abraço, composto de saudade, mágoa e vontade de entender como tudo isso foi acontecer.

Sigo tentando me encontrar e pesquisando sobre cada reação que meu corpo tende a ter, quando devido a estímulos e pensamentos positivos que li em livros, ele resolve reagir.

Enquanto esse amor que tanto disse não volta, eu vou sofrendo um pouco, e absorvendo cada vez mais que independente do que encontremos no outro, nunca em hipótese alguma, devemos pensar que esse alguém é o responsável por nosso respirar, abrir e fechar de olhos...o responsável por nos amar da forma que merecemos.

Esse amor que eu tanto quero que volte, desculpa se te desaponto, mas não me refiro a você. Me refiro àquele amor próprio, que eu deixei para trás e deletei da minha vida quando conheci você. Você não imagina a falta que ele me faz.

Ah, querida pessoa que está lendo esse texto, conversa comigo  e me diz uma coisa: você sente falta daquele amor próprio que você deixou para trás? Ou você, nunca cometeu o erro de deixá-lo ir? 

Deixem seus comentários.




Fiquem com Deus e até mais! 

8 comentários:

  1. Ai Thay, adoro ler um texto e ele me surpreender no final. Aquela reviravolta no ultimo ato que faz nossos corações pularem de surpresa, a gente lê novamente e sorri. Porque terminou de um jeito diferente, você não estava falando dele. E eu lembrei dele, da pessoa em que me deixou esperando o amor voltar. E depois que terminei de ler percebi quão boba sou, ele se foi. Levou também o meu amor próprio que venho lutando a cada dia para manter e reerguer a muralha que o garoto destruiu. E sim, Thay. Respondendo sua pergunta. Eu sinto falta, sinto uma falta absoluta de como eu era antes de me apaixonar, quando o único amor que existia em mim era o próprio, dos meus amigos e família. E quando a gente se apaixona abrimos mão de muita coisa, inclusive disto. Deixamos de nos amar justamente para ama-lo ainda mais! E ele parte, deixando-nos vazia. E não dá nem pra culpar o infeliz, fomos nós que enxergamos rosas onde só havia galhos, fomos nós que alimentamos excessivamente estas plantas falsas e aguardamos ansiosas, iludidas pela esperança da primavera chegar. E ele vai embora antes das flores brotarem, sentimos raiva e choramos. A primavera chega, iluminando tudo de escuro que nossa tristeza ocupou e na luz enxergamos direito, o único jardim que devemos nos dedicar é o nosso mesmo. Quando ele florescer, as borboletas viram, as pessoas iram vir prestigiar. Não ao contrario.

    Um grande abraço de urso, Mioliveers. http://traficodeconselhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Milena!

      Minha nossa, o que eu digo depois desse comentário? Quando eu escrevi esse texto fiquei imaginando a porção de pessoas que se sentem assim, como a protagonista da história... sozinhos, vazios, perdidos, não por ter terminado um relacionamento intenso e sim por após isso acontecer perceberem que o grande amor, o amor por si mesmo, já não está mais ali para confortar.
      Eu gosto muito quando vocês participam assim e contam aqui nos comentários as histórias de vocês, trazendo a realidade para algo que eu escrevi.

      Muito obrigada de verdade por esse comentário e por contar um pouquinho sobre você por aqui.

      Beijos!

      Excluir
  2. Quando pensamos amar cometemos muitos erros,um deles é deixar nosso amor próprio partir,mas acho que não exista uma fórmula que nos blinde disso,afinal como diz a célebre frase "o amor é cego" e só vamos perceber esse erro quando já passou bastante tempo.
    Eu adorei seu texto,principalmente porque tem uma suavidade incrível,as palavras se combinam de forma perfeita e o tema se encaixa tão bem.
    Acabei de conhecer o blog e já amei :D
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jennyfer! Que bom ler isso, fico muito feliz que tenha tido essa impressão ao ler o texto, super positiva! *-*

      Venha mais vezes, beijos!

      Excluir
  3. Estou apaixonada por esse blog! Esse layout é lindo e eu amo cronicas cara!
    E você escreve muito bem e descreveu exatamente muita coisa que passei e senti! Este texto me tocou <3
    Nunca pare de escrever, o mundo precisa das suas palavras, você é muito talentosa! Vou sempre passar por aqui hahah

    Beijo
    Sucesso!
    http://www.depoisdevoar.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhhh, que linda! *-*

      Gente, como é bom ler em plena manhã! Tem um sorriso gigante no meu rosto nesse momento.

      Muito obrigada mesmo, por esse comentário. Pode deixar que nunca deixarei de escrever.

      Volte sempre, viu?

      Beijos!

      Excluir
  4. Que lindo texto Thayná. Quando me apaixonei também foi assim, me isolei e esqueci de me amar. Hoje eu aprendi e vejo o quão bom é quando o seu amor próprio volta e quando você sabe se colocar antes de tudo.
    Beijos!

    www.morenadementira.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem isso! Geralmente as pessoas se esquecem para dar total atenção para o outro, mas isso nunca vai ser uma coisa normal apesar de ser muito comum.

      Venha mais vezes, beijos!

      Excluir

Obrigada por ler o post, espero que tenha gostado. Deixe o link do seu blog para retribuir a visita.Venha mais vezes por aqui, vai ser um prazer ter você como leitor(a).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


Sonhos na bolsa © 2015-2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Thayná Soares.
Desenvolvido por:
imagem-logo